VV na Tailândia

May 2, 2014 10:14 pm

tailandia

Mais um relato impressionante da nossa CEO, Mariana Serra. Dessa vez, ela nos contou o que aprendeu cuidando de elefantes na Tailândia!

A Mari está trabalhando em uma ONG, fundada em 1995 por uma mulher, onde hoje em dia, o lugar parece mais um “santuário” para elefantes que são resgatados das ruas ou dos Mahouts, hoje são 38 ao todo. Mahouts é nome que se dá para os domadores de elefantes, que os “educam” para que turistas possam subir em cima deles e passearem pelas florestas.

Vocês sabiam que para serem “educados”, esses animais passam dias sofrendo? Alguns ficam cegos, outros têm seus ossos quebrados… Eles são machucados para aprenderem a respeitar e obedecer as ordens de seus Mahouts, que usam um pequeno pedeço de madeira com um prego afiado em sua ponta para domarem os elefantes.

A pele desse animal é grossa sim, mas são sensíveis, eles sentem a dor. Ainda mais devido ao fato de o agredirem nos locais mais sensíveis de seu corpo; perto de suas orelhas. É um processo muito agressivo. Esses animais que sofrem ficam traumatizados, com infecções crônicas e até viciados em drogas, devido ao fato de seus domadores os drogarem com Anfetamina. Substância capaz de estimular o sistema nervoso central, provocando o aumento das capacidades físicas e psíquicas a Anfetamina é usada para que eles possam fazer horas e horas de passeios turísticos. E não acaba por ai, isso acaba acarretando graves problemas ortopédicos, por causa da sobrecarga de peso.

O que ainda é pior do que isso tudo, é o fato dessa atividade ser legal no país, o governo libera esse tipo de atividade e de tratamento aos animais. Nessa situação, a ONG que a Mari está voluntariando procura fazer um trabalho de conscientização, mostrando que se é para continuar com esse tipo de turismo, os governantes precisam construir locais onde os elefantes possam viver livremente, sem correntes, sem carregarem pessoas ou serem domados e também mostrando uma forma de educar esses animais sem o uso da violência.

As pessoas podem estar em contato com esses seres lindos e encantadores que são os elefantes, mas não precisam montar neles. A diferença no dorso de um elefante que carrega turistas é visível, a coluna do animal fica com um trauma. Nessa ONG, os voluntários e as pessoas que apenas a visitam podem cuidar deles dando banho e comida, além de observá-los.

Segundo a Mari, “não existe nada mais lindo do que ver uma família de elefantes juntos, tomando banho, comendo… A mãe, sempre super protetora, cuidando do seu bebê!”. Existem diferentes formas de fazer passeios turísticos, que tal optar pela maneira mais consciente?

 

elifoot